terça-feira, 17 de dezembro de 2013

No sapatinho do Menino Jesus: Encerramento até 31DEZ13 do Hospital D. Luís I no Peso da Régua

Transcrição de "PORTO CANAL": Peso da Régua, 16 dez (Lusa) -- O PCP denunciou hoje o encerramento até ao final de dezembro do Hospital D. Luís I, no Peso da Régua, que integra a lista unidades hospitalares públicas que podem ser devolvidas às Misericórdias.

Inserido no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), o "D. Luís I" está a funcionar apenas com o serviço de atendimento com 12 camas, isto depois de ter perdido a principal valência, o Centro Oftalmológico, que foi transferido para o novo Hospital de Proximidade de Lamego.

Hoje, em conferência de imprensa, António Serafim, dirigente local do PCP, referiu que a unidade hospitalar vai "fechar até ao final do ano" e adiantou que os funcionários que ainda ali trabalham "já foram informados de que serão transferidos para Vila Real".
"A maior parte das pessoas que ali trabalhava já foi transferida para Lamego e Vila Real quando o hospital perdeu o Centro Oftalmológico e, os restantes, passarão para Vila Real até ao final de dezembro", salientou o responsável.

Contactado pela agência Lusa, o CHTMAD remeteu o assunto para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, que ainda não respondeu ao pedido de esclarecimentos.

Entretanto, Manuel Mesquita, provedor da Santa Casa da Misericórdia da Régua, a proprietária do edifício onde está instalado o hospital, referiu que está à espera de encetar negociações com Ministério da Saúde para se definir a forma como esta unidade poderá ser transferida.

No entanto, o responsável salientou que "ainda não é líquido" que o hospital feche a 31 de dezembro.

O Ministério da Saúde pretende avançar com a transferência dos primeiros hospitais públicos para as Misericórdias. Em causa podem estar, numa primeira fase, os hospitais de Fafe, Ovar, Cantanhede, Anadia, Serpa e Régua.

Também presente na conferência de imprensa, Jorge Machado, deputado do PCP na Assembleia da República, alertou para o "vasto conjunto de serviços que o Governo quer desmantelar" em todo o país.

No distrito de Vila Real, segundo dados avançados pelo deputado foram desativadas "45 extensões de saúde" e 535 escolas, 480 delas do 1º ciclo do ensino básico.

Jorge Machado salientou ainda a perda de "nove estações dos CTT", que foram parcialmente substituídas por postos de correio.

Alguns destes postos de correio foram entregues a privados, juntas de freguesia ou câmaras, com "prejuízo para o serviço prestados" pelos Correios aos utentes.

O Governo prepara-se ainda, de acordo com o deputado, para fechar ou diminuir valências nos tribunais de Sabrosa, Murça, Boticas, Mondim de Basto, Mesão Frio, Chaves e Régua, e para encerrar 10 das 14 repartições de Finanças do distrito.

Medidas que, na sua opinião, vão obrigar as populações a "pagar mais caro serviços de pior qualidade" e que "visam promover negócios de privados".

"Este não é o caminho da Constituição de Abril", frisou Jorge Machado.

Esta visita do deputado a Trás-os-Montes insere-se numa iniciativa parlamentar que o PCP vai realizar quinta-feira, dia em que pretende interpelar o Governo sobre as funções do Estado e o encerramento de serviços no país.
- PLI // JGJ - Lusa/Fim
Pode ler também neste blogue !
Clique nas imagens para ampliar. Imagens digitalizadas com origem em livreto comemorativo da inauguração e benção do Hospital D. Luis I - Peso da Régua em 5 de Maio de 1957, pertencente aos arquivos do jornalista duriense Jaime Ferraz Rodrigues Gabão. Edição de J. L. Gabão para o blogue "Escritos do Douro" em Dezembro de 2013. Este artigo pertence ao blogue Escritos do Douro. Permite-se copiar, reproduzir e/ou distribuir os artigos/imagens deste blogue desde que mencionados a origem/autores/créditos. 

Nenhum comentário: