terça-feira, 4 de maio de 2010

O Retrato de D. Luís I

Aquele retrato emoldurado do Rei D. Luís, que sobressai na penumbra de uma parede da sala museu dos bombeiros da Régua, só pode causar algum mistério e uma certa admiração aos que desconhecem os méritos e a grandeza da associação.

O retrato do rei, de meia-idade, de olhar expressivo, misto de serenidade e bondade, faz parte da galeria de retratos de ilustres benfeitores e beneméritos da associação.

A razão para o rei figurar entre importantes personalidades da sociedade reguense é simples. Os primeiros bombeiros e fundadores da Associação deram a El- Rei D. Luís o título de sócio e Presidente Honorário, como manifestação da sua gratidão pelo reconhecimento de Sua Majestade à associação com a atribuição de uma das maiores distinções honoríficas: o titulo de Real.

Por carta régia, assinada em 13 de Junho de 1882, o Rei D. Luís, atribuiu à AHBV do Peso da Régua o título de Real, nestes termos:

“Dom Luís por graça de Deus Rei de Portugal e dos Algarves faço saber aos que lerem esta minha carta que atendendo ao que me representou a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Peso da Regoa e querendo dar-lhe público testemunho do apreço de que tenho a mesma Associação pelos seus úteis e filantrópicos fins a que se destina. Hei por bem conceder-lhe o título de REAL, podendo assim de ora em diante intitular-se Real Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Peso da Regoa”.

Uma associação que ostenta o retrato de um rei entre os seus maiores benfeitores revela serem radiosos os seus primórdios e estar repleto de glórias o seu passado. Fundados em 1880, os bombeiros da Régua nasceram da ideia de um grupo de 26 homens generosos, liderados pelo escrivão de direito Manuel Maria de Magalhães, que do nada, sem grandes apoios, souberam criar um corpo de bombeiros voluntários, inspirado na tradição humanista. Esse ideal vingou, cresceu e tornou-se cada vez maior nos nossos dias, reinventando-se nos seus nobres objectivos para conquistar o futuro. Por isso, o retrato de D. Luís tem um valor simbólico, ao fazer evocar o génio e a determinação dos fundadores da associação.

Em 28 de Novembro de 1882, a Associação comemorava o 2º aniversário da “instalação”. A organização estava no princípio. Eram dados os primeiros passos para afirmação de uma organização sólida na segurança e protecção de bens e vidas e que servisse para engrandecimento, bem-estar social, económico e cultural dos cidadãos reguenses. Os seus fundadores, homens de grande valia e formação moral, projectaram-na para servir os seus ideais humanistas. Só assim se explica que, quase desde a nascença, tenha alcançado o reconhecimento pelo poder público de um serviço de utilidade pública.

Não admira que a primeira grande distinção nacional tenha deixado regozijados o seu director, o Comandante Manuel Maria de Magalhães e os associados mais dinâmicos. O título de Real Associação era um sinal de prestígio para todos os bombeiros. Até àquela data, era das poucas associações humanitárias que podiam orgulhar-se de contar no seu historial, uma distinção honorífica tão valiosa.

Este homens, entendendo o seu significado e a sua importância para a afirmação dos bombeiros, querendo engrandecer as comemorações desse aniversário, decidiram organizar uma festa de agradecimento a Sua Majestade D. Luís I. Pretendiam demonstrar-lhe não só a gratidão pelo louvor concedido, mas também fazer em sua honra uma cerimónia de inauguração de um “retrato de sua Majestade, o Senhor El-Rei D. Luís I, Presidente Honorário da Associação.”

O Rei D. Luís esteve oficialmente, por duas vezes, na Régua. A primeira foi em 1872, ainda a corporação dos bombeiros não tinha sido fundada. O monarca deslocou-se para se inteirar do início dos trabalhos de construção da ponte rodoviária que ia ligar a Régua a Lamego. Sensível às causas sociais, ao tomar conhecimento que não havia hospital na localidade que visitava, apelou a que se criasse um, para o que fez, de imediato, uma contribuição monetária no valor de 500 mil réis. Os reguenses fizeram-lhe a vontade. Em pouco tempo, fundaram numa velha casa da Rua de Medreiros, um hospital, ao qual deram o nome do rei: Hospital D. Luís I. Mais tarde, em 1889, esse hospital foi transferido para a Casa Grande, um velho solar brasonado, onde funcionou até 1957, ano em que passou a ocupar um edifício construído de raiz, na Praça Delfim Ferreira. Apesar de ter cada vez menos valências e serviços, o velho hospital público, mantém-se em funcionamento, se bem que integrado no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto-Douro.

Em 1881, o Rei D. Luís voltou a visitar à Régua, deslocando-se num comboio especial, numa viagem pela linha do Douro, acabada de construir, que fez a partir da estação do Porto. Chegado com a sua comitiva à estação da Régua, o recém-criado corpo de bombeiros da Régua esperava Sua Majestade com uma guarda de honra, ao qual apresentou continência, acompanhando-o em cortejo pelas ruas principais da vila, até aos Paços do Concelho.

Nessa segunda visita, Sua Majestade travou conhecimento com o Comandante Manuel Maria de Magalhães com quem ficou a manter uma relação de amizade. Isto é o que nos revela na crónica “Bons e Maus Exemplos”, o escritor João de Araújo Correia: “Contavam os antigos reguenses que o Rei D. Luís, dando o título de Real à associação dos nossos bombeiros, em 1882, se relacionou, amistosamente, com o fundador e primeiro comandante da corporação - Manuel Maria de Magalhães.

Contavam também que D. Luís se carteava com ele. Apesar de ser rei, não se desdenhava corresponder-se com um escrivão. Creio que foi escrivão o comandante Manuel Maria de Magalhães.”
(Clique nas imagens acima para ampliar)

Ao tomarmos conhecimento destes pormenores singulares, o retrato de D. Luís I, se já tinha elevado valor histórico, associado ao primeiro reconhecimento da associação pelos poderes públicos da nação, adquire maior significado como motivo orgulho para os seus activos quadros dirigentes, comando e corpo de bombeiros, que nunca podem esquecer um cidadão exemplar como foi o seu fundador e Comandante Manuel Maria de Magalhães.
- Peso da Régua, Maio de 2010, J. A. Almeida.

Nenhum comentário: