sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Régua: Na Missa das Vindimas falou-se dos graves problemas sociais do Douro!

Realizou-se no passado Domingo, dia 06 de Setembro, em Peso da Régua a Missa das Vindimas.

A eucaristia foi celebrada na Igreja Matriz do Peso da Régua, tendo sido presidida pelo Arcipreste Luís Marçal e co-celebrada pelo Padre Vítor Melícias.

Esta iniciativa cumpre a tradição de celebrar a labuta de um ano inteiro, o mistério da transformação do suor em vinho, fazendo votos para que a colheita compense o esforço dispendido ao longo de meses de árduo trabalho.

Como vem sendo hábito o Arcipreste Padre Luís Marçal tenta chamar os dirigentes à realidade, tal como este ano onde foi dizendo:

A Palavra que o Senhor acaba de nos dirigir é verdadeiramente uma Palavra de Salvação, porque é de libertação. Na primeira Oração que fizemos nesta liturgia eucarística pedimos ao Pai “que nos fizesse, pela fé em Nosso Senhor Jesus Cristo, alcançar a verdadeira liberdade e a herança eterna”.

Jesus é o Salvador. Salvador que quer dizer Messias. Messias que quer dizer libertador. Jesus veio efectivamente para nos libertar a tudo daquilo que pudesse ser impedimento para entrarmos em comunhão com Deus e com os homens. Quando João Baptista enviou os seus discípulos a perguntar a Jesus:

“És Tu aquele que há-de vir ou temos que esperar outro?”

O Senhor respondeu-lhes:

“ide contar a João Batista o que vedes e ouvis: os cegos vêm, os coxos andam, os surdos ouvem, os mudos falam, os leprosos são curados, os mortos ressuscitam e a Boa Nova é anunciada aos pobres. Aqui, pobres são todos aqueles que não vêm, não falam, não andam, não ouvem, e essa boa nova anunciada a esses pobres tem esta finalidade: dizer como Isaías recomendava ao povo, aos corações perturbados, «Tende coragem, não temais. Aí está o vosso Deus; para fazer justiça e dar a recompensa».

Jesus veio dar a recompensa e fazer justiça aos seus. Os sinais libertadores que Jesus nos veio trazer através da salvação são exactamente esses.

Diz São João no seu evangelho, que os milagres de Jesus são sinais da libertação espiritual que iria acontecer através dos séculos, mercê da sua presença no meio de nós. E repito: o Senhor veio para nos libertar tudo aquilo que nos impede, que dificulta a nossa comunhão com Deus e com os homens.

É uma verdade científica que o Homem é um ser naturalmente religioso, que o Homem é um ser naturalmente social.

O homem não pode viver sem Deus.

Quando não encontra o Deus verdadeiro, inventa-o.

O homem não pode viver sem os outros homens.

Quando não se encontra com os outros homens inventa outras companhias, que o não levam à felicidade, nem o dinheiro, nem o sexo, nem a droga.

Nada.

Paralítico, portanto, hoje, é aquele que não é capaz de ir ao encontro de Deus e ao encontro dos homens.

Cego é aquele não é capaz de ver a Deus e consequentemente não é capaz de ver os homens.

Surdo é aquele que não ouvem nem a Deus nem os homens.

Mudo é aquele que não fala nem com Deus nem com os homens. É o solitário. É o isolado. É infeliz porque não vive. Porque comunicar é viver. A vida é comunhão porque nós participamos da natureza divina e Deus é um ser em comunhão. É um ser plural, é uma família constituída através do Amor.

“Deus é Amor”, foi o título da primeira encíclica do nosso Papa Bento XVI, e quem ama tem que amar alguém. O Pai ama o Seu Filho de tal maneira que desse amor surge o Espírito Santo, procede o Espírito Santo e nós, criados à imagem e semelhança de Deus, fomos criados para amar, para viver em comunhão com Deus e com os homens, faz parte da vida humana.

Reparemos no Evangelho os gestos físicos de Jesus. Diz o Evangelho que o Senhor meteu os dedos nos ouvidos e com saliva tocou-lhe a língua, e ele começou a ouvir e a falar. Um gesto físico, uma intervenção física de Jesus, o salvador naquele homem.

E agora regressemos ao princípio da criação. Que encontramos escrito no livro do Génesis, simbolicamente? Deus pegou no barro, usou as suas mãos e os dedos para pegar no barro e soprou sobre o barro. Usou os seus lábios e surgiu a vida humana. A intervenção, diríamos física se fosse possível colocar um corpo em Deus Pai, a intervenção física de Deus na criação do homem. Quer dizer que comunicar e viver, são as mesmas realidades e constituem a nossa participação em Deus. Deus é comunhão, quer dizer que o homem não vive sem ser comungando, sem estar em comunicação com Deus e com a humanidade.

Já citei uma encíclica do Papa Bento XVI, a primeira, “Deus é Amor”. Gostaria de citar esta última: “Caritas in Veritate”, a Caridade na Verdade. E o Papa escreveu esta encíclica num esforço em proporcionar aos homens caminhos de solução para a crise universal, para a crise económica, política e social. E num esforço para tornar os homens mais unidos uns aos outros e todos à volta de Deus.

Diz ele, que a caridade é praticada quando se conhece a Verdade, e a Verdade é Deus, é a Verdade absoluta. Quando o homem de olhos abertos vê a Deus, descobre n'Ele não só o seu Criador mas o seu Pai e, ao olhar para Deus como seu Pai, olha para o lado e vê o homem como seu irmão, e daí a igualdade e a fraternidade. Na segunda leitura, diz São Tiago que a fé em Nosso Senhor Jesus Cristo não deve admitir acepção de pessoas. Quer dizer, não pode haver diferença entre as pessoas, as pessoas são todos iguais, todas fruto do amor do mesmo Deus, criador e Pai, filhos do mesmo Pai que está no céu, irmãos, portanto, numa palavra. A diferença é inventada pelos homens e pela sua maldade. Então se somos todos iguais não há acepção de pessoas, não há uns à frente e outros atrás, não há homens bem vestidos e de anéis de ouro e outros mal vestidos, coitados, e aos pés dos grandes, e também não há pobreza porque a caridade implica partilha fraterna, solidariedade humana e cristã, assim viviam os primeiros cristãos. Tinham tudo em comum e não havia necessitados. Chegavam a vender propriedades para distribuírem o dinheiro pelos mais pobres, pelos necessitados. Não havia pobres. Não havia indiferença. Havia igualdade. Havia fraternidade. Havia comunhão.

Queria citar palavras do Papa Bento XVI desta encíclica que já referi: “Caritas in Veritate”. Diz o Papa no Capítulo 5: “Uma das pobrezas mais profundas que o homem pode experimentar é a solidão. Vistas bem as coisas, as outras pobrezas, incluindo a material, também nascem do isolamento, de não ser amado ou da dificuldade de amar”. Quem vive só não se sente amado e é infeliz. Quem vive só não tem quem amar e é infeliz por isso. Este é o grande vazio criado no coração humano, o vazio de quem, sentindo-se só, tem que lutar sozinho pela vida e é incapaz de o fazer.

Diz o Papa em contraposição a esta afirmação: “O desenvolvimento dos povos depende sobretudo do reconhecimento que são uma só família, a qual colabora em verdadeira comunhão e é formada por sujeitos que não se limitam a viver uns ao lado dos outros”. O Papa diz que a pobreza parte da solidão, a riqueza, o desenvolvimento, parte da comunhão, e aplica a imagem da família para dizer que é assim que deveria ser a sociedade, em que os homens não se limitam a verem-se uns ao lado dos outros, mas há pior, em que os homens vivem uns contra os outros. O ideal será que o homens vivam uns com os outros, em comunhão, de mãos dadas, corações unidos, a verem-se uns aos como irmãos, a falarem uns aos outros como irmãos, a ouvirem-se uns aos outros como irmãos. Esta é a verdade que o papa nos propõe, não como solução política, naturalmente, mas como uma solução humana.

Meus amigos, é nesta perspectiva que eu olho para a região do Douro. É inevitável que eu faça esta apreciação. Ao ver a nossa região eu verifico que há também entre nós corações perturbados, a quem cada um de nós deve dirigir-se tal como o profeta Isaías por vontade de Deus, «Tende coragem, não temais. Aí está o vosso Deus; para fazer justiça e dar a recompensa». Corações perturbados, corações aflitos, porque os horizontes são cada vez mais negros, cada vez mais sombrios, e lhes são fechadas maldosamente todas as possibilidades para se sentirem felizes. Diz São Tiago na segunda leitura, referindo-se às assembleias litúrgicas onde há lugares para uns e lugares para outros, também vejo na nossa região com a imagem de homens bem vestidos com anéis de ouro aqueles que são capazes de, porque lhes convém, transformar montes em vinhas, a viverem em casas solarengas, habilidosamente transformadas em turismo de habitação, a banquetearem-se e convidarem para esses banquetes os seus amigos, e ao mesmo tempo vejo ao seu lado, aos seus pés, tantos outros que são obrigados, com tristeza, com desânimo e até com revolta, a verem as suas vinhas transformadas em montes porque não têm capacidade de as aconchegar, de as acolher, de as abraçar e transformá-las em caminho de prosperidade e felicidade.

Alguém escreveu, e muito bem, que o vinho, principalmente o vinho do Porto, é «sol engarrafado». E é para todos, simplesmente para uns é sol que aquece, sol que fertiliza, que fecunda em frutos de prosperidade e de riqueza. Para outros é Sol que queima, Sol que abrasa, sol que estiola e seca as raízes de uma esperança que ainda lhes alimenta algum sonho. Esta é a verdade, e tudo porquê? Porque nós, homens do Douro, não nos entendemos uns com os outros. Somos cegos, surdos, mudos, coxos. Muitas vezes, já o disse, e hoje repito e prometo não me cansar nunca de o dizer, a nossa região está constituída, inteligentemente, para ser uma região feliz. Tem instituições capazes de organizar a vida económica, social dos durienses, tem dirigentes competentes, mas não instituições cegas, surdas, mudas, e principalmente sem coração. Eu vejo o nosso Douro como um arquipélago sinistro, formado por tantas ilhas quantas as instituições que o compõem, e é pena.

Nesta celebração eu queria pedir ao Senhor que desse mais espírito de comunhão aos nossos governantes, a começar pelo governo central, que as instituições tivessem pernas para caminhar umas ao encontro das outras, olhos para se verem uns aos outros, boca para falarem uns com os outros, ouvidos para se ouvirem uns aos outros e coração uníssono no mesmo sentimento e no mesmo esforço em criar a felicidade de todos nós. Eu não quereria ter mais razão para repetir uma vez mais aquilo que acabo de dizer, mas garanto-vos que não desistirei de o dizer enquanto não vir o sorriso estampado no rosto dos meus compatriotas, a nível nacional, dos meus conterrâneos, a nível regional, porque isso é possível: basta que os homens se amem uns aos outros. Se nos princípios do cristianismo era possível ninguém aguentar uma pobreza material vergonhosa, porque é que o nosso homem do Douro há-se hoje ser condenado a viver essa tristeza e sentir-se acabrunhado nessa vergonha?

Vamos todos pedir ao Senhor que as nossas instituições se dêem as mãos. Mais uma vez eu chamo à atenção dessa imagem belíssima que é o bardo das nossas vinhas. As vinhas não são cepas isoladas. Normalmente estão formadas por bardos, e os bardos são videiras com as varas entrelaçadas, apoiadas em arames, eles próprios também esteios. Eu diria que os esteios e os arames são o Governo central, Sr. Governador, e as varas somos todos nós. Varas de mãos estendidas à espera do mesmo fruto, para sermos podados ao mesmo tempo, e a poda implica sofrimento. Também há sofrimento para cultivar a vinha, mas há sorriso aberto quando nos forem colher os frutos e o fruto é o vinho, produto de um amor vivido, de um coração entrelaçado com outros e principalmente produto duma sensatez que nos pode levar à felicidade. Assim seja.
- Homília proferida pelo padre Luis Marçal na Missa das Víndimas do passado dia 6 de Setembro, na Igraja Matriz da cidade de Peso da Régua, transmitida também pela TVI. In Notícias do Douro.

Nenhum comentário: