sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Outro rio, outros barcos

O rio Douro fez parte da minha instrução primária, como a geografia e aritmética. A escola ficava na Rua das Vareiras, ali a dois passos. Não tínhamos recreio coberto, nem descoberto. Nos intervalos pequenos corríamos em grande algazarra para a Meia Laranja, varandim sobranceiro ao rio. Nós maiores descíamos a rampa até ao cais. Ali, ao mesmo tempo que brincávamos, esquecidos da palmatória do Senhor Morais, íamos assistindo ao tráfego do rio.

Chegavam carros de bois, em grande chiadeira, com a sua pipa de vinho fino debaixo de um molho de canas de milho. Pelo cansaço dos bois e as pragas dos carreiros se adivinhava o Inferno dos caminhos. Outros partiam, aliviados da pipa, de moço à frente a dizer iete… iete… e carreiro atrás, de mãos nas chedas, para não cair. Aquele copinho a mais… uma ou outra camioneta aparecia já, a destoar com as suas estridências no costumado arruido do cais.

Os barcos rabelos, em linha ou lado a lado, conforme o espaço acostável disponível, esperavam as pipas, balouçando-se pesadamente ao som do chap, chap das ondas miudinhas que vinham morrer entre eles.

Os mareantes eram homens silenciosos. Andavam por ali a preguiçar ou a fazer comida em pequenos potes de ferro. Mas, começando o embarque das pipas alinhadas no cais, desatavam a praguejar e a dar ordens que só eles entendiam. Causava uma certa ansiedade ver aqueles homens descalços e de calças arregaçadas até ao meio das pernas, muito lépidos, a rebolar sobre duas pranchas frágeis, acima das águas do rio, as pipas que o barco ia engolindo. Mais uma… mais uma… Os homens subiam as pranchas com esforço e lentidão e desciam-nas rápidos como lavandiscas. Do alto da apegada o arrais dava indicações no arrumo da preciosa carga.

Para nós, a partida dos barcos rio abaixo, não tinha grande encanto. A chegada sim. Por mais distraídos que andássemos, havia sempre um que os descobria, mal despontavam as velas na curva do Salgueiral.

- Lá vem um!...

- São dois!...

- Olha aquele… que grande!

Os rabelos chegavam em frente da Régua como imponentes majestades de um reino fabuloso. A vela caía como um suspiro de gigante cansado.

Aqueles homens encardidos pelo sol e pelo vento atracavam o barco em pouco minutos. Ainda hoje me impressiona a sua destreza.

Pressentindo instintivamente o fim do intervalo, partíamos como revoada de pardais. Chegávamos aos bancos da escola muito suados, de coração a bater e olhos cheios de rio. De um rio que não é este, de barcos de ferros, ventrudos como dinossauros.

- Camilo de Araújo Correia
In revista Tribuna do Douro, Maio de 2005.

Clique nas imagens para ampliar. Texto cedido pelo Dr. José Alfredo Almeida e editado para este blogue. Edição de J. L. Gabão para o blogue "Escritos do Douro" em Novembro de 2012. Este artigo pertence ao blogue Escritos do DouroSó é permitida a reprodução e/ou distribuição dos artigos/imagens deste blogue com a citação da origem/autores/créditos. 

Nenhum comentário: