sexta-feira, 6 de julho de 2012

A Ferreirinha 'voltou' 132 anos depois ao Quartel dos Bombeiros da Régua

No dia 30 de Junho do corrente, os Bombeiros da Régua receberam  no seu Quartel, agora situado na Avenida Dr. Antão de Carvalho, passados 132 anos, a "visita" da personagem histórica do Douro, D. Antónia Adelaide Ferreira, através da peça "A Ferreirinha - uma mulher fora do seu tempo", brilhantemente representada pelo grupo de Teatro da Universidade Sénior do Peso da Régua.

A peça é uma homenagem a grande empreendedora vitícola e sua solidariedade e generosidade que a levou a ajudar famílias carenciadas, instituições de solidariedade, misericórdias, hospitais e a fundação dos  Bombeiros da Régua, onde se inscreveu como a primeira sócia contribuinte.

Para além de retratar com muita fidelidade e rigor a peça recriou, pela primeira vez, o momento histórico em que o jovem 1º Comandante Manuel Maria de Magalhães - muito bem interpretado pelo jovem Heitor Gama, neto de um antigo dirigente associativo, que vestiu uma bela farda de gala da época - a convidou para associada e ela, que bem conhecia o novo lema "Vida por Vida", de fazer o bem ao próximo sem esperar recompensa, aceitou assinando o respectivo livro de inscrição - que ainda existe e se guarda religiosamente no Museu - e se obrigou a pagar uma jóia e uma quota mensal de valor considerável - e, como se disse na peça a brincar, a dar algo mais qualquer coisas para outras extravagâncias - para adquirem o primeiro material, fardamento e comprar  mais livros para a sua biblioteca, ainda pequena e que cabia então numa pequena estante de madeira.

O Salão Nobre do Quartel dos Bombeiros - onde outrora já se representou muito e bom teatro amador - teve a presença de muitas pessoas - mais de uma centena - que aplaudiram a "classe" da Senhora  Ferreirinha - representada por uma actriz de talento, a Prof. Olga Maria Alves - e os demais actores, todo eles amadores, e que assim encerravam o ano lectivo como alunos da Universidade Sénior, desta vez em apoteose, graças à dedicação e empenho da encenadora Professora (e autora) Maria José Garcia.

Saíram prestigiados também os Bombeiros da Régua que, mais uma vez, mostraram a sua ligação à sociedade reguense e evidenciaram a sua matriz originária de promover a cultura, lema que cumprem desde a sua fundação, em 28 de Novembro de 1880, pois como dizia no passado o escritor João de Araújo Correia: "A Régua, se não vegeta, é porque vai vivendo no ânimo dos seus Bombeiros".
Por José Alfredo Almeida*




"A Ferreirinha - uma mulher fora do seu tempo"
(grupo de Teatro da Universidade Sénior do Peso da Régua - algumas imagens)
*O Dr. José Alfredo Almeida é advogado, ex-vereador (1998-2005), dirigente dos Bombeiros Voluntários de Peso da Régua entre outras atividades, escrevendo também cronicas que registram neste blogue e na imprensa regional duriense a história da atrás citada corporação humanitária e fatos do passado e presente da bela cidade de Peso da Régua.
Clique nas imagens para ampliar. Edição de J. L. Gabão para o blogue "Escritos do Douro" em Julho de 2012. Texto também publicado na edição do semanário regional "Noticias do Douro" de 6 de Julho de 2012. 2 imagens de Fernando Peneiras e as demais retiradas da net livre via FaceBOOK - Universidade Sénior do Peso da Régua. Este artigo pertence ao blogue Escritos do Douro. É permitido copiar, reproduzir e/ou distribuir os artigos/imagens deste blogue desde que mencionados a origem/autores/créditos.

Nenhum comentário: