terça-feira, 17 de abril de 2012

Uma Galera

João de Araújo Correia

Numa das minhas peregrinações, dei comigo no mais gracioso hotel que o leitor possa imaginar em terra portuguesa.

Casa sobre o alto, pintada de branco, pintada de branco, à margem de um rio doce, logo me atraiu como se me dissesse: entra, descansa, hospeda-te aqui, senta-te à minha mesa, deita-te nos meus lençóis, que serás bem servido. Não conhecerás o luxo bafiento, mas conhecerás a simplicidade, o asseio, o bom gosto…

E assim foi. Meti-me naquele abrigo, que me agasalhou como prometera e eu necessitava. Ali ficaria, até hoje, se a vida me não obrigasse a regressar ao meu trabalho.

Mas, se quero descansar, basta-me recordar o hotelzinho. Monto a cavalo na recordação e ali me sinto outra vez, acarinhado como pessoa de família pela senhora que dirige a hospedaria. Custa-me dizer hoteleira…

Mal que ali cheguei, prendi a minha burra a uma argola. Quero com isto dizer que meti debaixo de um telheiro o meu carrinho, que foi meu companheiro durante muitos anos. Nunca me deixou ficar mal numa subida e adaptava-se a todos os caminhos.

Se fosse preciso, ganhava asas num pronto para saltar por cima de um obstáculo deparado numa azinhaga. Carro assim não torno eu a adquirir.

Metia-me dentro dele para percorrer os arredores do hotelzinho. Foi assim que visitei vilas e aldeias adormecidas entre pinheirais e um grande mosteiro, desabitado e morto. Esperava, à beira de um abismo, o dia de Juízo. Tenebroso mosteiro, só a minha imaginação o povoou de frades.

De uma das vezes que atravessei uma risonha vila, apeei-me da burra, como quem diz do carro, para espreitar uma casinha baixa, de portas abertas para um grande largo. Era um quartel de bombeiros… Mas, tão antigo, em seu material, que era um museu de bombas e capacetes, machados e agulhetas, tudo disposto para acudir a incêndio ateado aí cem anos antes.

Estive, vai-não-vai, para pegar nele e traze-lo para a Régua, oferecê-lo aos bombeiros da minha terra, que tinham quartel novo, no trinque, e não tinham guardado, do quartel velho, grandes recordações. Podiam, em edifício à parte, manter aquele museu como saudade do século passado. Podiam oferecê-lo à memória de quem fundou, há cerca de um século, a primeira associação de bombeiros da Régua.

Que resta desse tempo? Uma galera, que andou de jó para já até um dia. Consta-me que foi parar, emprestada que não dada, a um quartel do Porto.

Hoje, que os nossos bombeiros ampliaram o quartel, devem chamá-la a si como relíquia dos seus velhos tempos. Já lhes não falta espaço onde a meter e exibir.

Os bombeiros da Régua, que tanto cabedal fazem da sineta de Canelas, que só a Canelas pertence, devem recolher, quanto antes, a galera que só a eles deve pertencer. Venha para a Régua, quanto antes, a galera que levou a muito incêndio, em tempos idos, os bombeiros da Régua. Tanto mais, que é uma linda galera, muito bem conservada… Parece que acabou de sair de mãos de artista.

Nota: O escritor redigiu esta crónica no jornal “O Arrais”, edição de 22-6-78, com o pseudónimo de Joaquim Pires. Tem o interesse histórico de o autor ter incentivado a criação de um MUSEU, o que veio a ser fundado em 1980, como o seu nome, por ocasião do primeiro centenário da Associação. Chama atenção ainda para a perda de um primeiro carro de transporte de bombeiros que terá sido oferecido. Tanto quanto sabemos, essa velha galera, de nome “Pátria”, está guardada no quartel dos Bombeiros de Provezende.
Clique nas imagens para ampliar. Este texto está também publicado na edição do semanário regional "O Arrais" de 19 de Abril de 2012. Texto e sugestão de J. A. Almeida e edição de J. L. Gabão para o blogue "Escritos do Douro" em Abril de 2012. Este artigo pertence ao blogue Escritos do Douro. Todos os direitos reservados. É permitido copiar, reproduzir e/ou distribuir os artigos/imagens deste blogue desde que mencionados a origem/autores/créditos.

Nenhum comentário: