quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Rescaldo do Congresso da Régua

A cidade de Peso da Régua recebeu, nos passados dias 28, 29 e 30 de Outubro, com toda a dignidade. o 41º Congresso dos Bombeiros Portugueses que já é considerado o maior Congresso, pelo elevado número de presenças, desde a fundação da Liga em 1930. Naqueles dias, Peso da Régua foi efectivamente, com todo o mérito, a Capital dos Bombeiros de Portugal, como ali foi afirmado várias vezes.

O tempo ajudou muito para o êxito que se atingiu. Depois da 1ª quinzena de Outubro ter batido todos os recordes, dos últimos setenta anos, no que respeita a temperaturas elevadas para a época do ano, com o maior número de ignições dos últimos dez anos, para o mesmo período na generalidade do País, depois de duas semanas de chuva anormalmente intensa, eis que naqueles dias o sol brilhou, o céu ficou azul, a temperatura tornou-se amena e os representantes dos Bombeiros apresentaram-se em massa na capital do Vinho do Porto, a Régua grande capital e centro do Douro Vinhateiro e daquela majestosa paisagem Património da Humanidade.

É certo que, em abono da verdade, também teremos que reconhecer que os dois candidatos em disputa eleitoral fizeram um bom trabalho de mobilização, digno de registo, para que os representantes dos Bombeiros ali se deslocassem e exercessem o seu direito e o seu dever de votar.

Conjugados os factores do tempo, da mobilização e de uma certa vontade de mudança, tudo isso contribuiu para que a presença ali de tantos representantes dos Bombeiros fosse mesmo um facto insofismável, mesmo à vista desarmada.

Quanto ao Congresso propriamente dito, pouco há a dizer. Se na sessão solene de abertura, no Salão Nobre da Câmara Municipal há a realçar a sala cheia e a dignidade dos discursos do Presidente da Câmara, do Presidente da Assembleia Municipal, do Presidente da Liga e do Presidente da Federação, também o discurso do Secretário de Estado da Administração Local merece uma palavra pela negativa dada a inexperiência evidenciada pelo governante acerca da realidade dos Bombeiros Portugueses que ele de algum modo tutela de forma oficial. Depois, no majestoso e rico Salão Nobre da Casa do Douro, cheia de tradições e de história naquela importante região demarcada e que hoje passa um dos piores períodos da sua vida, foi a vez do lançamento do livro “Memórias dos Bombeiros Voluntários de Peso da Régua”, de José Alfredo Almeida, Presidente da Direcção e também Presidente da Federação dos Bombeiros de Vila Real, livro este que representa um trabalho aturado do autor acerca dos 131 anos de vida e de trabalho dos seus Bombeiros que mereceu uma dupla apresentação, qual delas a mais entusiasmante, por parte do editor e do Padre Vítor Melicias. Também neste caso o salão estava cheio tendo o livro merecido a melhor aceitação por parte dos muitos presentes. Ainda acerca deste livro permito-me transcrever, pelo seu simbolismo, parte do prefácio do Dr. Duarte Caldeira, Presidente do CE da LBP: -“ Este é um texto que nos oxigena e que nos faz acreditar que os anos que dedicamos à causa dos Bombeiros de Portugal valem por si e pela riqueza humana que eles nos proporcionam.” Face a estas palavras, será caso para dizer, mais palavras para quê.
Depois seguiu-se um pequeno intervalo que permitiu aos congressistas um jantar apressado, pelo que às 21 horas foram abertos os trabalhos do Congresso com as trocas dos primeiros galhardetes, tendo os trabalhos encerrado às 23 horas como estava no programa.
Chegou depois o dia grande, o dia das eleições, o dia das oratórias mais ou menos inflamadas, muitas delas mesmo muito inflamadas, diria até que algumas inconvenientes, e o acto eleitoral propriamente dito, que apesar de uma manifesta impreparação para tantas presenças, mesmo assim decorreu dentro da normalidade e sem conflitos dignos de registo. Os resultados, esses são sobejamente conhecidos, pelo que não me atrevo a referi-los quando mais a comentá-los. Mas no final foi bonito o abraço entre os dois candidatos o que revela, mas também obriga, que a partir daquele momento tenha deixado de haver vencedores e vencidos mas somente pessoas que querem trabalhar e engrandecer os Bombeiros, defendendo-os dos perigos, apertos e cortes provocados pela crise instalada, mas também incentivando-os para a aceitação e negociação das mudanças que se avizinham. São tempos difíceis que se esperam, mas a experiencia e o conhecimento dos novos Órgãos, muito ajudarão a ultrapassar as dificuldades a começar pelos pensamentos positivos, sempre necessários nestas ocasiões que ajudam também a defender as estratégias delineadas.

Do último dia há ainda alguns momentos dignos de nota a registar. Na recepção ao Ministro, a dignidade da formatura merece uma palavra de muito apreço, como na sessão de encerramento o brilhante discurso de improviso, do eleito Presidente do Conselho Executivo Comandante Jaime Soares, várias vezes interrompido com calorosas e sentidas salvas de palmas, que merece todos os elogios, porque acima de tudo, desperta a esperança da unidade mas também de muito combate pela afirmação do parceiro Bombeiros em todo o sistema de protecção e socorro.

A concluir e sem pretender minimamente fazer qualquer balancete do evento, que de todo em todo não está na minha mente, mesmo assim penso que poderemos dar os parabéns à Comissão Organizadora, que em tempos de crise soube dar dignidade ao Congresso reduzindo ao mínimo indispensável as despesas e simultaneamente rentabilizar as receitas que certamente geraram resultado positivo significativo para Liga, o que é raro neste tipo de organizações.

Parabéns pois à Organização, aos Bombeiros da Régua e do Distrito de Vila Real que no desfile tão bem souberam demonstrar e evidenciar as suas grandes capacidades operacionais, e bem assim aos novos Órgãos Sociais Eleitos da Liga dos Bombeiros Portugueses.
Vivam os Bombeiros Portugueses.
- Carlos Pinheiro
Secretário Adjunto da Mesa dos Congressos da LBP
11.11.11

Clique nas imagens para ampliar. Sugestão de JASA (Dr. José Alfredo Almeida) para o blogue "Escritos do Douro". Edição de J. L. Gabão - "Escritos do Douro" em  Janeiro de 2012.                                                                            

Nenhum comentário: