terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Onde eu nasci passa um rio

Onde eu nasci passa um rio
Que passa no igual sem fim
Igual, sem fim, minha terra
Passava dentro de mim
Passava como se o tempo
Nada pudesse mudar
Passava como se o rio Não desaguasse no mar
O rio deságua no mar
Já tanta coisa aprendi
Mas o que é mais meu cantar
É isso que eu canto aqui
Hoje eu sei que o mundo é grande
E o mar de ondas se faz
Mas nasceu junto com o rio
O canto que eu canto mais.
- Caetano Veloso*

*Gravação contida no LP DOMINGO – CAETANO VELOSO e GAL COSTA de 1967. No Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=jWDuejEHZqg


Clique na imagem ao alto para ampliar. Sugestão de JASA (José Alfredo Almeida) para o blogue "Escritos do Douro".  Edição de J. L. Gabão para o blogue "Escritos do Douro" em  Dezembro de 2011.

Nenhum comentário: