quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O Zé Pinto institucional - 2

Adérito Rodrigues

Nas linhas anteriormente expostas procurámos mostrar a dedicação de um Homem que se devotou aos outros (não se pretendeu dizer que sr. Zé Pinto fosse o maior de todos, tão somente que foi um Grande Homem), a exemplo de muitos mais, que se dedicaram e continuam a dedicar-se à causa voluntária, ajudando o seu semelhante no dia-a-dia, desde que sejam solicitados para o efeito.

Será de introduzir nesta crónica que a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Peso da Régua, a par com a Associação dos Amigos do Hospital D. Luiz I, é uma Associação referenciada neste Ano Internacional do Voluntariado, sito na cidade do Peso da Régua, que deverá despertar as consciências para a disponibilidade e a cooperação com o seu semelhante.

Essas pessoas que labutaram em proveito direto dos seus concidadãos, foram uns genuínos Voluntários - na verdadeira aceção da palavra - marcaram-nos com seus feitos, que conservamos na memória e que nos levam a suspirar por um passado que ocorreu e que, nos dias de hoje, nem sempre se cumprem da forma que julgamos a mais adequada.

Dostoievski, no seu livro “Os Irmãos Karamazov”, diz-nos que “…não existe nada mais elevado, mais forte, são e bom para a vida do futuro que alguma boa recordação...”. É salutar não esquecermos as ligações que tivemos, não relegarmos para um plano inferior as boas lembranças que se fixaram na nossa memória, as recordações dos bons afetos. Jamais a ausência de alguém nos pode forçar a um arrasador abandono, a um esquecimento interior, a uma rejeição das emoções que nos humanizaram.

O quarteleiro Zé Pinto esteve sempre disponível para todo e qualquer ser - fosse o mais rico ou o mais necessitado -, sempre solidário e sempre generoso, mas a vida não lhe foi condescendente, ao inverter-lhe a época, pois o 25 de Abril não o bafejou, com o virar de mais uma página da nossa história, já que não lhe proporcionou os aumentos que os do ativo tiveram, vendo-se obrigado a viver com a reforma reduzida que lhe pagavam.

A vida desse nosso conterrâneo teve aspetos bem representativos e gratificantes, apesar de, por vezes, o estado de saturação o atingir, se considerarmos que as horas de trabalho não eram contabilizadas como são hoje, já que ele tinha que estar disponível, desde que alguém o chamasse.

Nas várias conversas que fomos mantendo na década de convívio que tivemos, o sr. Zé Pinto chegou a confidenciar-me que, muitas vezes, se sentia extremamente cansado com tanta correria, pois as viagens à Capital do Norte não eram nada do que são hoje, atendendo ao imenso tempo que se demorava na viagem e à constante rotatividade - ida e volta. Quem, como ele, percorreu os velhos caminhos que nos levavam à cidade do Porto, tem plena certeza de que essas viagens fatigavam qualquer pessoa, mesmo que fosse um “bom acelera”. Era um tempo longo que se perdia na estrada, com curvas e contra-curvas e o inconveniente de termos que atravessar lugarejos, aldeias ou cidades.

Sei, também, que o nosso Amigo Zé Pinto, para colmatar essa situação de cansaço, diversas vezes, levava o filho mais novo, o Quim, para o substituir na condução da ambulância, no regresso, a fim de poder descansar um pouco durante a viagem.

Tempos impensáveis e não aplicáveis nos dias de hoje, onde impera um horário de trabalho e as condições são muitíssimo mais benévolas do que as de outrora.

Nos quarenta anos de trabalho nos Bombeiros teve noites que ainda vinha a caminho e já estava o telefone a tocar, para que fosse outra vez ao Porto e quem atendia o telefone era a Dª Antónia, pela ausência do quarteleiro. Outras vezes estava ele a acabar de se deitar e tocava o telefone para ir levar um doente. Foi uma vida de muito sacrifício e em que a Dª Antónia também cooperou nessa azáfama.

A canseira que o casal foi tendo pelos tempos fora, não se ficou só por aqui, também tinham um orgulho enorme no Quartel dos Bombeiros e tudo faziam para que o aspeto fosse o mais deslumbrante e apresentável possível. Era comum as pessoas quererem visitar as instalações e as viaturas nas Festas do Socorro e o casal Melo tinha orgulho em mostrar o quartel, pelo que “limpavam os capacetes, ficava tudo a reluzir, todos limpinhos, e a minha sogra andava de joelhos a encerar a casa toda. As pessoas ficavam encantadas com a limpeza do quartel. O meu sogro tinha muita vaidade nisso”.

No dia 16 de Agosto, dia grande das Festas em honra da Nª Srª do Socorro, aquando do regresso da procissão e “a Nª. Srª. vinha para cima, da Capela do Asilo das Crianças para o Peso, só quando saía o último bombeiro é que ele ia comer, apesar dos apelos constantes da mulher para ir comer”.

Se o casal tinha vaidade em ter as instalações devidamente limpas e arrumadas, também o sr. Zé Pinto não deixava de ter um enorme orgulho na limpeza das viaturas, poderemos dizer até que, talvez, uma certa obsessão, pois, no dizer da nora, era de um cuidado extremo. Eis as palavras que o definem:

O meu sogro tinha aquela coisa com ele, não confiava a maca a ninguém. Ele é que a conduzia e não metia um carro dentro do quartel sem ser lavado. Sempre tudo lavado! Não descansava! Estava a gente, muitas vezes, à espera para comer e ele, sem lavar a ambulância, não descansava. Tinha uma paixão muito grande pela Associação, pelos Bombeiros, pelas viaturas e gostava de ter tudo arrumadinho, tudo no respetivo lugar.

A vida desgastante que o quarteleiro viveu, também lhe apresentou alguns casos engraçados e que ele próprio lembrava e comentava, achando-lhes alguma graça.

Naquele tempo, os bombeiros faziam o transporte dos doentes na ambulância, mas também dos mortos, quando os enfermos se finavam nos hospitais. Uma das situações que o sr. Zé Pinto vivenciou tem a ver com uma viagem a Valdigem, a fim de levar um doente falecido. A viúva (o homem já estava morto), uma senhora do povo, quase ao chegar à localidade, pediu-lhe:

“- Óh senhor, toque muito, toque muito, para saberem que vai aqui o meu marido”.

Pretendia a pobre viúva que o bombeiro tocasse a sirene da ambulância, mas qual a intenção concreta, ninguém o saberá, a não ser que queria que soubessem que o morto ia ali. Acho a situação um pouco macabra...

O Sr. Zé Pinto explicou aos seus familiares a situação que viveu e dizia que dentro da infelicidade a que foi chamado, levar um morto, dava-lhe agora o riso pela situação que viveu. A senhora queria que soubessem que ia ali o marido morto!

Ainda no cumprimento da sua missão, referirei um outro episódio em que o sr. Zé Pinto se viu envolvido no cumprimento do seu dever. Ao transportar uma senhora grávida para o hospital, a paciente apresentou sinais de ter que dar à luz num momento inesperado. Como a senhora manifestava todos os sinais de ter começado em trabalho de parto, não havia outra solução que não a de o parto ser na ambulância. O bebé acabou por nascer dentro da ambulância e foi o “nosso” quarteleiro quem assistiu a senhora, mais um bombeiro que ia com ele. Após a situação ter ficado resolvida, quiseram os pais da criança que o Bombeiro Zé Pinto fosse o padrinho da criança.

Aproveito para narrar um relato ocorrido no edifício dos Bombeiros. Havia um senhor, de nome Viana, um homem engraçado e divertido, que ia trabalhar/ajudar os Bombeiros. Ele não era bombeiro, mas ia auxiliar na limpeza dos capacetes e das botas, num lugarzinho lá atrás, onde arranjavam tudo.

Há, contudo, uma história com esse tal Viana, deveras surpreendente, que a Dª Glória Vieira (nora do sr. Zé Pinto) me contou.

- “Um dia deram um peru ao meu sogro e ele chamou o Viana. Deu-lhe uma garrafa com bagaço e pediu-lhe que embebedasse o peru com o bagaço, para depois se matar. Aquilo é que foi. Bebeu ele a aguardente e cortou a cabeça ao bicho com o machado dum bombeiro. Em vez de embebedar o peru, embebedou-se ele e o peru nunca mais morria”.

- Ah desgraçado, o que tu fizeste” – disse-lhe o quarteleiro.

Como se pode ver por estas pequenas narrativas a vida de bombeiro não era só sacrifício, também tinha algumas cenas engraçadas, que acabavam por amenizar a árdua tarefa que lhes era investida.

Será de referir, já que se fala em comida, que a Dª Antónia era uma mestra na cozinha e, segundo a opinião de alguns, esta senhora fazia uns petiscos muito afamados, assim se pronunciam alguns, que na altura eram frequentadores do bar dos Bombeiros.

Fecho esta série de crónicas, onde foi referido o quarteleiro Zé Pinto, mencionando a atribuição da medalha de mérito e sacrifício (foto 1 ), no ano de 1970, que a Direção de então lhe atribuíra, quando ele já tinha mais de trinta anos dedicados à causa do voluntariado da Associação Humanitária dos Bombeiros desta cidade. Os responsáveis de então entenderam conceder-lhe essa condecoração pelos feitos realizados, e quem lhe fez a imposição da medalha foi o também saudoso Joaquim Lopes, pai do Ângelo Maria, meu amigo e colega no Liceu de Lamego (foto 2).

Procurei relembrar a vida dum Homem, que, muito embora tivesse ficado no anonimato, mostrou-nos uma faceta de dignidade e competência. Que Deus o mantenha na Sua Paz.


O ZÉ PINTO institucional - 2
Jornal "O Arrais", quinta-Feira, 22 de Setembro de 2011
(Click com o "rato/mouse" para ampliar e ler)


Imagens e texto cedidos por Dr. José Alfredo Almeida em Setembro de 2011 para Escritos do Douro. Edição de J. L. Gabão. Clique nas imagens acima para ampliar.

Nenhum comentário: