quarta-feira, 13 de julho de 2011

O nosso ninho


  Horácio de Moura Lopes - O nosso ninho
                           
Construirei, além, o nosso ninho!
(A noiva serás tu, romeira linda!)
Mesmo pobre terá luz… graça infinda,
Sem lhe faltar o sol do teu carinho.

Não temas noite escura, desabrida!
Vem comigo, não olhes ao caminho!...
Há-de ser um pombal muito branquinho!
Onde o mal não espreite a nossa Vida.

Eu quero dar-lhe foros de alegria…
Onde se ouça uma prece em cada dia,
Impetrando uma graça lá da Altura!

E, no esplendor da paz e da harmonia,
Habitaremos sós, até que um dia,
Alguém venha dourar nossa ventura.

- Régua, Agosto de 1949
Publicado na revista “Princesa do Douro”
Blogue "O privilégio dos Caminhos" de Júlia Moura Lopes, filha de Horácio Moura Lopes.
:: -- ::
Algumas palavras de José Alfredo Almeida: Homenagem a um cidadão quase desconhecido mas grande poeta há muito falecido. Amou a Régua e as Caldas do Moledo onde gostava de se inspirar na luz dos mágicos  luares do velho parque termal,  para escrever apaixonados e inesquecíveis sonetos como o que hoje recordamos,  que ficaram esquecidos em velhos jornais e revistas, à espera de todos nós, amantes de poesia, de luz e das suas eternas luas de magia...!

 -  Foto de Miguel Guedes, para ilustrar, a entrada do parque termal das Caldas do Moledo. Clique na foto para ampliar. Edição de J. L. Gabão.

Um comentário:

JúliaML disse...

Agradeço, sensibilizada!..