sábado, 28 de maio de 2011

QUASE UM POEMA DE AMOR - Miguel Torga


Há muito tempo já que não escrevo um poema
De amor.
E é o que eu sei fazer com mais delicadeza!
A nossa natureza
Lusitana
Tem essa humana
Graça
Feiticeira
De tornar de cristal
A mais sentimental
E baça
Bebedeira.

Mas ou seja que vou envelhecendo
E ninguém me deseje apaixonado,
Ou que a antiga paixão
Me mantenha calado
O coração
Num íntimo pudor,
— Há muito tempo já que não escrevo um poema
De amor.

Miguel Torga, in 'Diário V'
- Clique nas imagens acima para ampliar. Colaboração (texto e imagens) de José Alfredo Almeida em Maio de 2011 para Escritos do Douro.

Nenhum comentário: