sexta-feira, 27 de agosto de 2010

O Sino de Canelas

Quiseram os bombeiros da Régua ter o seu museu quando, no dia 28 de Novembro de 1980, faziam 100 anos de existência. Quiseram e, com o esforço de alguns directores, entre eles destacou-se o Prof. Pedro Macedo, antigos bombeiros, amigos e benfeitores da associação, conseguiram que a ideia do Comandante Cardoso se tornasse uma realidade. Escolheram uma sala no último andar do Quartel Delfim Ferreira para preservarem as suas memórias que começavam a ser perdidas e esquecidas.

Encontrado o lugar certo, arrumaram os primeiros os materiais de socorro, um carro de tracção humana usado nos primórdios da corporação. As moto-bombas que perderam a potência, apesar de parecerem outra vez novas. As agulhetas que apagaram fogos urbanos e florestais, ao lado de outras ferramentas. As fardas, os capacetes, botas e as aricas já sem uso. Os primeiros estandartes, bastante desbotados. Outros materiais que serviram para apagar fogos urbanos e florestais. Há manequins para mostrar como eram os primeiros uniformes utilizados pelos gloriosos bombeiros do passado século e pela sua fanfarra. Uma maca, muito gasta e quase a desfazer-se na lona e nas dobradiças, para transportar dos doentes infectados pela gripe “pneumónica” de 1918.

De seguida reuniram-se os documentos históricos: a cópia da carta do rei D. Luís I, a atribuir o título de “Real Associação”, o livro dos primeiros estatutos, o regulamento do Corpo de Bombeiros e a inscrição dos sócios-contribuintes, o livro das primeiras actas, as medalhas, os crachás e os diplomas que mostram o mérito, o valor e a coragem de homens que se dedicaram de corpo a alma à causa do voluntariado e muitas fotografias, de todos os comandantes, bombeiros que se elevaram na sua acção ou que sacrificaram a vida para salvarem a de outros, de viagens e encontros com camaradas de outras corporações, de directores e de ilustres beneméritos que, muitas vezes, contribuíram com os seus bens para que a Associação pudesse permanecer no tempo como uma garantia de protecção e de socorro.
Em 1983, o museu já recheado de muitas peças de valor e, devidamente organizado para receber condignamente os seus visitantes, era baptizado com o nome de “ Dr. João Araújo Correia”, em homenagem ao escritor reguense, desde criança um íntimo e entusiasta admirador dos bombeiros, como comprovam as suas cónicas de recordações.

Este museu não preserva só a memória dos bombeiros. Ele preserva outras memórias e expõe objectos que fizeram a história de outras instituições, algumas já desaparecidas, como o Orfeão Reguense, que ao longo do tempo, se relacionaram com os bombeiros, pela dedicação de amizades, ajudas mútuas e realização de acções conjuntas, no âmbito do bem –fazer social e de solidariedade. E, se calhar para surpresa de muitos, guarda alguns preciosos objectos que se relacionam com episódios da história do concelho do Peso da Régua, como é o caso de um pequeno sino fundido em bronze que tem esta inscrição: "CÂMARA MUNICIPAL DE CANELAS/1852".

Esta relíquia pode-se observar no museu dos bombeiros da Régua. Esta está conservada e arrumada num suporte, entre as demais peças que os bombeiros se serviram nas suas intermináveis missões de socorro. Parece que o sino naquele local se confunde com a própria história e as memórias dos bombeiros, mas não é verdade, já que tem algo que o distingue. Até podia ser confundido se, alguma vez, fosse posto no telhado do quartel e se os toques do sino tivessem convocado para actos heróicos os bombeiros, na falta da ruidosa sirene. Era assim, que o escritor reguense o imaginava a servir: "Quem quiser ver esse pedaço de bronze deverá subir à cobertura da nossa casa, como quem diz ao telhado do nosso quartel. Substituirá a sereia quando a sereia emudecer."

Mas, este sino tem uma grande história para se conhecer, que muito poucos aprenderam na escola. Pertenceu ao edifício da ex-câmara de Canelas, quando era esta terra era a sede de concelho que veio a ser extinto em 1853. Depois da sua anexação ao concelho da Régua, o sino foi confiado aos seus bombeiros, na convicção de que no quartel poderia ter uma nova utilidade pública. O escritor João de Araújo Correia, no livro “Pátria Pequena”, conta na crónica “Uma relíquia”, mais pormenores relativos a este sino. É ele que assegura que sua função inicial era a de convocar os vereadores do executivo municipal. Extinto nas reformas administrativas o concelho de Canelas, destruído o edifício da câmara, o sino ficou abandonado à sua sorte, até que alguém o levou para os bombeiros da Régua. Conta também o escritor que, anteriormente, o sino tinha sido usado pela população para avisar da invasão de inimigo que lhe ameaçava a liberdade e a soberania. Este sino, lembra o escritor que "deu o rebate de Franceses à vista, nas lombas de Além-Douro, em 1808. Fez fugir, no primeiro repente, os povos alarmados pela ruim fama do invasor Loison”.
O sino de Canelas está ligado, desta maneira, à história da segunda invasão francesa, na sua incursão pelo norte do Douro, durante a passagem pela Régua das tropas comandadas pelo General Loison, conhecido por “Maneta”, quando se preparava para atravessar o rio Douro. Um acontecimento histórico que, apesar do sofrimento e terror vividos, honra o carácter e os valores pátrios de um povo. A recepção ao invasor foi marcada pela uma resistência notável, com um emboscada montada no lugar do Santinho, no Salgueiral. Sem armamento e com o recurso ao arremesso de pedras, os populares conseguiram parar a coluna das tropas – com perto de 2.000 soldados - e causar ferimentos e a morte em alguns homens. Na reacção, o cruel e sanguinário “Maneta” repeliu a rebeldia com o cerco da Régua e castigou uma população civil, indefesa militarmente, com severas represálias. Pelo que, na manhã de 22 Junho de 1808, as tropas francesas atacaram a vila com canhões de artilharia, a que “se seguiu um assalto e as violências consequentes perpetradas contra os pouco habitantes encontrados, ocorrência que a imaginação popular aumentou, e foi noticia que aterrou e indignou o país”, como relatou o General Carlos Azeredo em livro recentemente editado.
Na verdade, este saque causou as primeiras vítimas das invasões francesas na Régua, que provocou a morte de, pelo menos, 15 pessoas e, em muitas outras, o roubo e a destruição dos seus poucos haveres. Em reforço destas memórias, vale a pena relembrar o que o historiador Vasco Pulido Valente descreveu, no seu interessante livro “Ir pró Maneta”, sobre o saque da Régua:

“Loison saiu de Almeida a 17 de Junho. A 20, chegou a Lamego, que se rendeu imediatamente. A 21 atravessou o Douro próximo da Régua, em direcção a Mesão Frio (...). Quando, porém pretendeu continuar para Amarante e penetrou nas montanhas, foi para assistir ao fim do que tinha sido, até ali, o passeio militar francês em Portugal. Uma considerável força de paisanos, religiosos e quatro dúzias de fidalgos e oficiais (...) investiu contra os flancos e a retaguarda da coluna de Loison. (...)

Loison sofreu baixas significativas. (...)

Impedido de prosseguir, Loison recuou para a Régua, constantemente embaraçado pelas guerrilhas. Perto da Régua e, depois, na travessia do Douro para Lamego, o ataque intensificou-se e os franceses sustentaram de novo pesadas perdas em homens e material. Pela primeira vez, os “gloriosos conquistadores da Europa” fugiam. E fugiam diante de uns milhares de paisanos, com paus e piques e a rara espingarda raramente nas mãos de vocações naturais, como a do frade dominicano José de Jesus Maria, o “frade branco” que depressa se celebrizou pela sua infalível pontaria e a impressionante quantidade de soldados inimigos de que piedosamente aliviou a pátria martirizada.
Perante a inesperada eficácia da rebelião, Loison adoptou, quase como reflexo, a única estratégia coerente de contra-guerrilha: as represálias maciças sobre a população civil. Na impossibilidade de encontrar e bater os insurrectos, que esta escondia e apoiava, a única alternativa lógica (embora não exactamente moral) consistia em obrigá-la a mudar de campo, pagando largamente em vidas e em bens portugueses qualquer gesto contra o ocupante. (...)

À eleição destes métodos, no futuro banais, de sufocar o levantamento, e não à sua crueldade privada, deve o “maneta” Loison (não tinha um braço) a sua presente má reputação, como também por causa deles a locução “ir para o maneta” se fixou perenemente na língua. A campanha repressiva abriu, logo após a primeira derrota dos invasores, com o saque da Régua e, em toda a sua longa retirada para a fortaleza de Almeida, a coluna (que “diminuía a cada passo”) queimou searas, casas, celeiros, matou homens, mulheres, crianças e velhos (...)”

O sino de Canelas não é só um pedaço de bronze. Tem um significado e uma lição singular da história da Régua, de um passado que urge evocar como exemplo de cidadania da população reguense que, com as suas próprias mãos, ousou enfrentar um invasor tão implacável e mortífero, absolutamente imbatível aos olhos de civis desarmados e impotentes, mas orgulhos e destemidos na defesa do seu país. Ainda bem que se encontra no Museu dos Bombeiros - Museu Dr. João de Araújo Correia - que mais do que servir para contemplar o passado, ambiciona nos 130 anos de existência da associação, ser um lugar para o exercício de uma memória, com os olhos postos nos desafios do futuro.
- Colaboração de José Alfredo Almeida*, Peso da Régua, Agosto de 2010.
:: ::
O Sino de Canelas no "Arrais"

Poderá ampliar para "tela inteira" (full screen) utilizando as "ferramentas" disponíveis no "box" acima.
(Link - http://embedit.in/qXFCyqLWOL - Arquivo em formato "pdf".)

  • *José Alfredo Almeida é advogado, ex-vereador (1998-2005), dirigente dos Bombeiros Voluntários de Peso da Régua entre outras atividades, escrevendo também crónicas que registram neste blogue e na imprensa regional duriense a história da atrás citada corporação humanitária, fatos do passado da bela cidade de Peso da Régua de onde é natural e de figuras marcantes do Douro.

Um comentário:

joana disse...

Era uma vez um sino. Apenas um sino de bronze, que entregue a mãos mais descuidadas, provavelmente teria acabado numa qualquer fundição….mas este sino conta uma história, e o facto de estar colocado bem no centro do Museu atesta bem a sua importância.

Confesso que quando comecei a ler a tua crónica, esperava ficar ao corrente de actos heróicos levados a cabo por bombeiros convocados a toque de sino na falta da habitual sirene, com espanto, vejo-me em plenas invasões francesas.

Era preciso que tu viesses repor a importância do sino de Canelas, explicando o seu valor quando, tocando a rebate, avisou as populações que o inimigo se aproximava….deliciei-me com o relato do Vasco Pulido Valente, que retrata tão bem como lutámos contra as tropas francesas.

Há sempre quem queira passar a imagem de que somos um povo asinino e cabisbaixo, subjugado e incapaz de reagir quando a situação nos é adversa….pois essas pessoas deviam ler a tua crónica, ela mostra bem que sempre que foi necessário, nós fomos capazes de reagir e de lutar pela nossa liberdade e independência, com a tua crónica, trouxeste-me o que há de melhor em nós: a verdadeira e pura alma lusitana, que está sempre latente dentro das gentes do nosso povo e é por ela que eu tenho um imenso orgulho em ser portuguesa.

Um beijo